24/07/2020

Coren-AL orienta profissional de enfermagem agredido no ambiente de trabalho

Anderson Tavares teve uma hemorragia no olho e diversos hematomas pelo corpo

A equipe do Conselho Regional de Enfermagem de Alagoas (Coren-AL) se reuniu nesta sexta-feira, dia 24, para ouvir o relato do técnico de enfermagem Anderson Tavares, que foi agredido no seu ambiente de trabalho na última quinta-feira, dia 23.
Anderson recebeu as orientações jurídicas do seu caso, além do apoio da instituição. “Vim procurar um apoio do Coren-AL, porque fui agredido no meu ambiente de trabalho”, afirmou Anderson.

O presidente do Comitê de Valorização do Coren-AL, Esvaldo Silva, vai acompanhar de perto a situação. “Precisamos que os profissionais que sofram ou sofreram qualquer tipo de violência nos comuniquem oficialmente e se preservem com o máximo de provas, só assim poderemos auxiliar”, destacou Esvaldo.

Também estiveram presentes a procuradora do Coren-AL, Gabriela Holanda, o chefe da fiscalização, Weslley Feitoza e a chefe de gabinete, Deca Diniz.

Entenda o caso
Anderson Tavares afirma que é funcionário desde maio do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Alagoas (Ipaseal) e está há dois meses com seu salário atrasado. Ao tentar resolver sua situação houve um desentendimento com a diretoria do Instituto. Segundo Anderson, sua entrada no local foi proibida e, em seguida, sofreu violência física e moral dos seguranças.
Com uma hemorragia no olho e diversos hematomas pelo corpo, Anderson foi depor na delegacia. “Conseguiram me transformar de vítima para culpado. Eu que sou pai de família precisei pagar a fiança para ser liberado.”, explicou.




  • Receba nossas novidades