09/08/2018

UPA Trapiche cria Comissão de Ética da Enfermagem

A Comissão de Ética segunda do Estado, a primeira de caráter não obrigatório

Apesar da legislação não obrigar a criação do Comitê de Ética da Enfermagem para instituições de saúde com menos de 20 enfermeiros, a equipe da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), do bairro do Trapiche, em Maceió, saiu na frente e garantiu esse instrumento para os profissionais.

Nesta quarta-feira (08), a enfermeira responsável técnica Mirelle Thayse, acompanhada da enfermeira Priscilla Alcides e da técnica de enfermagem Creuza Vicente, esteve no Conselho Regional de Enfermagem de Alagoas (Coren-AL) para receber a diplomação do Comitê, o segundo do Estado, mas o primeiro em caráter não obrigatório.

Para Mirelle Thayse, o Comitê vai auxiliar na organização interna, além de fortalecer o pronto atendimento. “Será uma ponte entre os funcionários e o Coren, principalmente para tirar dúvidas a respeito do Código de Ética”, afirmou.

Após 25 anos da aprovação da primeira resolução que fala sobre a criação e implantação das comissões de ética em âmbito hospitalar, só agora as instituições de saúde estão conseguindo elaborar suas comissões. A primeira foi no Hospital Dr. Clodolfo Rodrigues de Melo, em Santana do Ipanema, criada no final de julho.

As comissões de ética no âmbito hospitalar têm atuação de caráter consultivo, educativo e de fiscalização do exercício profissional. Segundo Nayron Vasconcelos, assessor técnico responsável pelos processos éticos do Coren-AL, a comissão dentro do hospital é uma forma de divulgar o Código de Ética e esclarecer os demais atos normativos que regem a profissão entre os trabalhadores daquela instituição.

O Código de Ética é um instrumento normativo, que direciona os profissionais em suas atividades laborais, sendo uma forma de garantir o exercício profissional com excelência para a população e, assim, minimizar as infrações.

Apesar de ser o Coren-AL que homologa as Comissões, a iniciativa da criação tem que partir dos funcionários e do Responsável Técnico da unidade de saúde. “Existe uma série de regras e enquadramentos para criar a Comissão, o Conselho orienta e presta assessoria para poder formalizá-lo”, informou Nayron.

O presidente do Coren-AL, Renné Costa, deixou claro que a instituição está de portas abertas, disponível para oferecer todos os instrumentos que tiver para auxiliar na orientação dos profissionais e conseguir promover uma assistência de enfermagem de qualidade.

Já o presidente das Câmaras Técnicas do Coren-AL, Wbiratan Souza, também elogiou o pioneirismo dos profissionais e ressaltou que a Comissão traz o empoderamento profissional necessário para valorização da enfermagem.




  • Receba nossas novidades